quinta-feira, 2 de março de 2017

O Futebol de Dom Pedrito (RS)


Resumo Histórico

Conhecida como "Capital da Paz", Dom Pedrito é uma comunidade histórica. No início eram índios pampeanos. Em 1770, os espanhóis, liderados por um comerciante de nome Pedro Ansuateguy, magro e alto, que atendia pela alcunha de "Dom Pedrito", morador numa picada dos matos que margeiam o rio Santa Maria, que banha a cidade, começaram a desenvolver o comércio e originaram a povoação.

A região da fronteira era propícia às lutas definidoras da fronteira sul, entre espanhóis e luso-brasileiros. Dom Pedrito foi palco de memoráveis batalhas experimentando os efeitos da Campanha do Prata e da Revolução Farroupilha. A Guerra dos Farrapos que teve início em 1835, só terminou em 1845 seguindo-se então uma fase de progresso.

Por Lei nº 238, de 18 fevereiro de 1852, e a pedido de moradores dos então 3º e 4º distrito de Bagé, foi criada a Capela de Nossa Senhora do Patrocínio, junto ao passo de Dom Pedrito.

No dia 2 de fevereiro de 1854 foi, em conseqüência de ordem do Presidente da Província, demarcado pelo capitão do 1º Regimento de Artilharia, Hermes Ernesto da Fonseca, o lugar onde se devia fundar a povoação e bem assim o terreno para o logradouro público, que teve grande acompanhamento e assistência.

Figurou nesse número o subdelegado do 4º distrito de Bagé, Bernardino Ângelo da Fonseca, cidadão prestimoso que muito concorreu para que fosse decretada a criação do povoado.

Em 18 de novembro de 1856, foi lançada a pedra fundamental para o primeiro templo católico, sendo adquirida por iniciativa dos senhores Delfino Jacinto Pereira, Plácido José Xavier, José Joaquim da Silva e outros, a imagem de Nossa Senhora do Patrocínio, padroeira da paróquia.

No ano seguinte, transferiu-se a imagem para o templo localizado no terreno da atual praça General Osório, sendo que, em 1899, seria essa igreja demolida, levantando-se novo templo na quadra que se defronta com a Praça e onde se encontra até o presente.

Foi elevada à categoria de freguesia em 3 de dezembro do ano de 1859, pela Lei nº. 437, sob o orago de Nossa Senhora do Patrocínio de Dom Pedrito. Após a proclamação da República, foi constituída a Junta Municipal, composta dos Srs. José Pinto de Oliveira Sobrinho, como Presidente, Longuinho Saraiva da Costa e Manuel Torres.

Em 30 de outubro de 1872, pela Lei nº 815, foi elevada à vila, emancipando-se de Bagé a pedido dos moradores, que eram aproximadamente 8 mil e em razão de Dom Pedrito ter promovido a abolição da escravatura antes da Lei Áurea e considerando-se também o desenvolvimento da vila, recebendo o nome oficial de Dom Pedrito.

No ano seguinte, em 02 de abril, instalou-se a Câmara Municipal. A elevação a categoria de cidade foi conferida como honraria em 20 de dezembro de 1888, pela Lei nº 1.720, pelo seu extraordinário progresso.

Dom Pedrito, situa-se na Região Campanha do Rio Grande do Sul, distante 441 quilômetros de Porto Alegre, na Fronteira Oeste, entre os meridianos 54 e 55 (oeste) sobre o paralelo 31, estando a 141 metros do nível do mar, com latitude de -30,5858 e longitude de 54,4023.

O acesso à cidade efetua-se pela BR 293, que corta o município, ligando-se a Bagé a leste e a Santana do Livramento a oeste e ligando-se a São Gabriel, ao norte, pela RS 630.

Dom Pedrito tem como limites: Norte: Rosário do Sul, São Gabriel e Lavras do Sul; Leste: Bagé; Oeste: Santana do Livramento e Sul: República Oriental do Uruguai.

O município ocupa a quarta área territorial entre os municípios gaúchos com a área total de 5.250 Km² representando 1.931% do estado do Rio Grande do Sul.

A riqueza do município está concentrada na agropecuária, sendo que as propriedades rurais são mais de 1.300, com a criação de bovinos, ovinos e eqüinos, com destaque para a criação de cavalos crioulos. A produção agrícola intensificou-se a partir da década de 40 com a cultura do arroz irrigado.

A atividade predominante atualmente é a indústria do beneficiamento do arroz, constituindo-se em atividade básica de exploração para quase todo o mercado nacional, envolvendo boa qualidade de mão-de-obra.

Dom Pedrito tem um clima temperado úmido, com verões quentes e invernos rigorosos, com grandes geadas. É comum a incidência de ar frio proveniente da República Oriental do Uruguai e Argentina, de origem polar, além do famoso vento Minuano com origem no Prata.

O turismo é o investimento que mais cresce na economia mundial. Milhares de pessoas viajam todos os anos à procura de culturas diversas, novas paisagens, renovação mental e espiritual. Tendo conhecimento que o turismo oxigena a economia local, pois atrai investimentos de toda natureza e multiplica riquezas, é que nossa população está voltando a investir nesta área.


Dom Pedrito aliou beleza das terras com as riquezas de sua história e tradições, principalmente a de bem receber os visitantes. Tanto o poder público como iniciativas particulares buscam divulgar os atrativos do município, estimular a realização de festividades e eventos e aprimorar os serviços existentes. (Fonte: Site "Dom Pedrito Virtual)

E.C. CRUZEIRO 


2015 - Esporte Clube Cruzeiro, campeão da Copa de Ouro. (Foto: Sem fonte definida)

1973/1974. E.C. Cruzeiro bi-campeão da cidade. Em pé: Pereca - Marinho - Polaco - Bebeto - Bola Edsom Paz - João Carlos - Elgio - Noé _ Amaral e Mário Nonda Agachados: Mota - Boêmio - Cigano - Veneno e ... (Foto: Museu Paulo Firpo - Enviada por Dougls Marcelo Rambor)


Em pé: Pancho - Grilo - Direção - Roberto - Adão Bilula e Jaime Tavares. Agachados: Euclides Camerron - Ito - Caio - Quecheko - Éder e Sérgio Machado Bico Duro. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)


Em pé:  Roberto Gaúchão - Quecheco - Adão Bilula - Edson Paz - Direção e Jaime Tavares. Agachados: Ito - Negrinho Perna Curta - Mário Orion - Bardeto e Pelé. Super Campeão Pedritense.


Quecheko, Adão Bilula, Ito e Roberto. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)

1967. Cruzeiro. Direção - Quecheko - Tota - Zezé - Roberto e Adão Bilula. Agachados: Ito - Pancho - Bardeto - Toninho e Caio. (Foto: Carlos Roberto)

Cruzeiro 1966. Em pé: Adão Bilula - Pantera - Edson Paz - Pancho - Ito - Airton Bandeira e Direção. Agachados: Bardeto - Pereca - Tota - Roberto e Toninho (jogou no Bahia e Inter SM. (Foto: Carlos Roberto)

1966. Cruzeiro. Bardeto, Tota e Roberto. (Foto: Carlos Roberto)


1966. E.C. Cruzeiro bi-campeão da cidade. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)

Gilberto, Dutra, Giba, Pantera, Bardeto, Direção, Quecheko, Airton Bandeira, Nica – de óculos ???, Naco e Domingos Corsini. (Foto: Pedro Arrech Saraiva)


1963. Juvenis do E.C. Cruzeiro. (Foto: Roberto)


Estádio do E.C. Cruzeiro. (Foto: Pedro Arrech Saraiva)


1956. E.C. Cruzeiro. (Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)


1955. Eremito e Beca. Foto: Blog "Eu Nasci em Dom Pedrito).

1948. E.C. Cruzeiro. (Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

1947. E.C. Cruzeiro. (Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)


E.C. Cruzeiro campeão municipal de 1939. (Fonte: Blog "Nasci em Dom Pedrito)

FOTOS SEM IDENTIFICAÇÃO


Foto muito antiga. (Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

Foto muito antiga. (Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)


(Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)


Jogadores não identificados do E.C. Cruzeiro. (Foto: Carlos Roberto)






(Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

(Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

(Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

(Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

(Fonte: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

E.C. MOTORISTA


E.C. Motorista, sem identificação. (Foto: Tines do RS)

Dirigentes e atletas do E.C. Motorista, confraternizando na sede da Sociedade Riograndense, na década de 1970. (Fonte: Blog: "Nasci em Dom Pedrito)

Sem identificação.

BOTAFOGO FUTEBOL CLUBE



Estádio Floribal Jardim, do Botafogo Futebol Clube. (Foto: Fonte indefinida)

Botafogo 2015. (Foto: Sem fonte definida)


Botafogo 2006. (Foto: Blog "Nasci em Dom Pedrito")


Botafogo, 1969 ou 1970. Em pé: Pedro Duarte - Tunico - Vaz - Álvaro Gordo - Leoncio - Adão Bilula - Itamar e Pereca (técnico). Agachados: Ilo - Roberto - Walter - Quarai e Sabugo. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)


Botafogo 1968 ou 1969. Em pé: Leôncio - José Alves - Lobãio. Chico do Blindado - Roberto - Pombica Sita e Leão (técnico). Agachados: Ito - Tostão - Breno - Osvaldo - Bardeto - Mano e Maguinho (mascote). (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)

Confraternização do Botafogo F.C. Sem identificação do ano. (Fonte: Museu Paulo Firpo - Enviada por Douglas Marcelo Rambor) 


1963. Time Juvenil do Botafogo 

Botafogo. (Fonte: Museu Paulo Firpo - Enviada por Douglas Marcelo Rambor) 

Botafogo F.C. Identificados o goleiro Jorge, terceiro em pé, a contar da esquerda e o centroavante Verruga, terceiro jogador agachado a contar da direita. Não se sabe o ano. (Fonte: Museu Paulo Firpo - Enviada por Douglas Marcelo Rambor) 


Botafogo, 1955. (Foto: Acervo Fotográfico do Botafogo Futebol Clube)

Botafogo F.C., 1954. Em pé: Valite - Artur - Marinho - Otáviano - Béco - Gilberto e Henrique Nelson. Agachados: Pancho - Magro - Eremito - Chiquinho e Roberto. (Foto: Acervo Fotográfico do Botafogo Futebol Clube)

Botafogo F.C., 1954. Em pé: Marinho - Bira - José - Rinél - Béco - Giba e Henrique Nelson. Agachados: Pancho - Chiquinho - Magro - Caginho e Eremito. (Foto: Acervo Fotográfico do Botafogo Futebol Clube)


Botafogo F.C., 1945. (Fonte: Museu Paulo Firpo - Enviada por Douglas Marcelo Rambor) 


Botafogo F.C., campeão de 1945. (Fonte: Blog "Nasci em Dom Pedrito).

Botafogo F.C., 1935. (Fonte: Museu Paulo Firpo - Enviada por Douglas Marcelo Rambor) 

1935. Botafogo F.C., fundado em 15 de janeiro de 1935. As primeiras camisas foram doadas pelo senhor Cacildo Soares de Lima, e pertenceram ao extinto 15 de Novembro F.B.C. O primeiro presidente foi o senhor Luiz Gallo. 

A primeira partida foi disputada contra a G.S. Operário, não se sabendo a data e nem o resultado. No mesmo ano de sua fundação o Botafogo foi campeão da Taça Farroupilha, campeonato municipal em homenagem ao centenário da Revolução Farroupilha, com a seguinte equipe: Galdino - Loló e Chico - Lote - Camargo e Miro - Severo - Orestes - Deiques - Calisto e Romeu. Reservas: Bacará, Ferrer e Bilo. (Fonte: Museu Paulo Firpo - Enviada por Douglas Marcelo Rambor) 


Botafogo, 1930. (Foto: Anotando Futebol) 

Eremito, do Botafogo e Giba, do Cruzeiro. Foto: Acervo Issa Durqui)


Botafogo sem o ano. Em pé: Didi - Giba - João Francisco - Pancho - Valdomiro e Glauco. Agachados: Egeu - Cleo - Danilo Couto - Milton Garcia - Itamir e Péricles (mascote). (Foto: Blog "Nasci em Dom Pedrito)


SEM IDENTIFICAÇÃO

Botafogo, sem identificação. (Foto: Blog "Nasci em Dom Pedrito).

Botafogo, sem identificação. (Foto: Blog "Nasci em Dom Pedrito).

Botafogo, sem identificação. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)


Botafogo, sem identificação.


Sem identificação. (Fonte: Museu Paulo Firpo - Enviada por Douglas Marcelo Rambor) 

Sem identificação. (Fonte: Museu Paulo Firpo - Enviada por Douglas Marcelo Rambor)



OLARIA FUTEBOL CLUBE


Resumo histórico

O Olaria Futebol Clube foi fundado no dia 21 de Abril de 1957 por um grupo de pessoas que utilizava o final da avenida Rio Branco, onde hoje está o Parque das Acácias, para jogar futebol no local. 

Às margens do rio Santa Maria, havia uma olaria, o que deu origem ao nome. A sede fica na Rua José Bonifacio, 136 – no Centro de Dom Pedrito.

No grupo de atletas fundadores estavam Adão Padeirinho, Neri Colombo, Brasilide, Caggiano, Altair, Januário, Carlos Maciel, Hermenegildo "Gaúcho" Maciel, Carlinhos Amarelo, Petrônio e o líder Orestes Corrêa, entre outros.

Para efetuar o primeiro jogo foi preciso arrumar um fardamento. Com quem? Compraram camisetas verde e amarela, com o pessoal do Licenciado, do Mário Arrué. Posteriormente o Olaria passou para as cores vermelho e preto, rubro negro. (Fonte: Olaria e Motorista Retratos do Futebol Pedritense e Outras Histórias")


Estádio Orestes Corrêa, onde o Olaria realiza seus jogos. (Foto: Divulgação)


2015 - Olaria Futebol Clube, campeão Sub-17. (Foto: Fonte indefinida)

Sem identificação. (Foto: Olaria e Motorista Retratos do Futebol Pedritense e Outras Histórias")

Sem identificação. (Foto: Olaria e Motorista Retratos do Futebol Pedritense e Outras Histórias")

Sem identificação. (Foto: Olaria e Motorista Retratos do Futebol Pedritense e Outras Histórias")

Sem identificação. (Foto: Olaria e Motorista Retratos do Futebol Pedritense e Outras Histórias")

OUTRAS EQUIPES


Esperança, 1967, atletas não identificados. (Foto: Carlos Roberto Modernel)


Esperança, 1964. (Foto: Carlos Roberto)


Esperança, time que era dirigido pelo Mário Arrué, que foi cinegrafista do Cine Glória. Eu (Nilo Dias) joguei nesse time. A camisa era amarela.

Esperança, 1955. Em pé: Derly - Giba - Sérgio Sallenave - Toninho - Marinho - Blangeo - Mirinha - Sanchez Madrinha e Eremito. Agachados Rubinho - Toco - Inhato...

Esperança 1954. Em pé: Batista - Milton - Gilberto - Munhoz - Ediléo e Antônio. Agachados: Roberto - Munhoz - Eremito - Giba - Pancho e Anito. (Foto: Fonte desconhecida)

Esperança, 1953. Em pé: Mário Arrué - Eremito - Giba -Adão - Gilberto Munhoz - Wilson Garcez - Ito e Geraldo. Agachados: Ediléo - Marcelino - Marinho - Lauro e Tito.


Democrata F.C., 2014. (Foto: Fonte indefinida)


Democrata, sem identificação. (Foto: Times do RS) 

Democrata, sem identificação. (Foto: Roberto Etch) 

Democrata, sem identificação. (Foto: Times do RS) 

Democrata, sem identificação. (Foto: Origem Desconhecida).


Democrata, sem identificação. (Foto: Origem Desconhecida).

Internacional de Dom Pedrito. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)


Veteranos do Internacional de Dom Pedrito. (Foto: Jair Peres)

Equipe de Futebol de Salão do Licenciado, em antiga quadra nos fundos do Patrocínio, na Bernardino Ângelo com a Trilha de Lemos. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

Gaúcho de Sanga das Piúgas. Sem identificação. (Foto: Olaria e Motorista Retratos do Futebol Pedritense e Outras Histórias")


Time da antiga Rádio Ponche Verde, com as camisas do C.A. Ferro Carril, time que eu fundei. (Foto: Sem fonte conhecida)

Flamengo, 1942. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

S.C. Operário. Sem identificação. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

E.C. Farroupilha. Sem identificação. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

Time sem identificação. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

Time sem identificação. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

Time sem identificação. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

Sem identificação. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

CLUBES EXTINTOS


1929. 15 de Novembro F.B.C. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)


1925. 15 de Novembro F.B.C. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

1924. 15 de Novembro F.B.C. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

1922. 15 de Novembro F.B.C. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

15 de Novembro F.B.C. Sem identificação do ano. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)


15 de Novembro F.B.C. Sem identificação do ano. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

15 de Novembro F.B.C. Sem identificação do ano. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

15 de Novembro F.B.C. Sem identificação do ano. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)


Nunca houve futebol profissional em Dom Pedrito. Mas, quando ainda existia o amadorismo, especialmente nas décadas de 20 e 30 do século passado, o 15 de Novembro de Dom Pedrito muitas vezes enfrentou a dupla Ba-Gua, na fase regional dos campeonatos estaduais de futebol.

Mas, se nunca adotou o profissionalismo, foi representada por nomes que marcaram época no futebol bajeense. Os exemplos, sem a observância de uma rigorosa cronologia, são muitos.

Aníbal Machado, o capitão do time do Bagé, campeão estadual de 1925, era pedritense. Foi também daquela cidade que veio Lauro Jardim de Oliveira. Ele chegou para o Guarany no distante ano de 1937, integrando-se logo depois ao clube alvirrubro. Trabalhou por muitos anos como funcionário do Banco do Brasil. Se aposentou e fixou residência em Bagé.

Muitos anos depois, o futebol pedritense foi responsável pela revelação, por exemplo, do meio-campo Amarante, com passagens pela dupla Ba-Gua: dos atacantes Éder, que jogou pela dupla Ba-Gua, e Toninho, que atuou pelo Guarany, sendo vendido depois para o Bahia; Alamir, centromédio, que surgiu nas divisões de base do Bagé, depois foi vendido ao São Paulo,de Rio Grande, e atuou em várias outras cidades; Bicudo, que veio para o Bagé como volante, nos anos 90, passou por vários outros clubes e há várias temporadas defendeu vestiu a camisa do Guarany; Lino, meio-campo, que se profissionalizou no Bagé, passou por diversas outras agremiações, inclusive o Guarany, abandonou o futebol e trabalha em Porto Alegre. No grupo atual do Guarany; outro pedritense, o meia-atacante William.


Em 1938, na conquista do bicampeonato estadual pelo Guarany, um de seus goleiros era o pedritense Luís Vieira. O meio-campo Paz também marcou presença no alvirrubro bajeense, em outros tempos. Na década de 50, o lateral pedritense Vinicius também atuou pelo Guarany.

S.C. Dom Pedrito, sem identificação do ano. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

S.C. Dom Pedrito, sem identificação do ano. (Foto: Museu Paulo Firpo – Enviada por Douglas Marcelo Rambor)

S.C. Dom Pedrito, sem identificação do ano. (Foto: Revista "O Malho")

1926. S.C. Dom Pedrito. (Foto: Revista "O Malho")

OUTROS CLUBES

Time da Caixa Econômica Federal (CEF). Sem identificação. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)

Time da Caixa Econômica Federal (CEF), no Campeonato dos Bancários. Sem o ano. Em pé: Luiz Armando - Walter – Luiz Mário -  Roberto Gauchão – Machado – Ruy Adalberto – Ivan Tivi – Carlos Roberto Becão e Ubirajara. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)


Time da Caixa Econômica Federal (CEF). Sem identificação. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)


E.C. Garrafa e Metralhas F.C. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)

E.C. Garrafa. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)

1968. Ginásio Nossa Senhora do Patrocínio, vice-campeão estadual estudantil. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)  

1964. Ginásio Nossa Senhora do Patrocínio. (Foto: Procedência desconhecida)

1963. Ginásio Nossa Senhora do Patrocínio (onde Nilo Dias estudou). (Foto: Procedência desconhecida)

1960. Time da antiga Rádio Ponche Verde, com camisas do Ferro Carril, que eu fundei. (Foto: Blogo “Nasci em Dom Pedrito”)

1968. Time do Licenciado, quando disputou o Estadual de Futsal em Santa Rosa. (Foto: Carlos Roberto Modernel Rodrigues)