quinta-feira, 1 de agosto de 2013

O Leão da Fronteira


Histórico

O 14 de Julho foi criado no dia 14 de julho de 1902, em uma região fronteiriça entre as cidades de Santana do Livramento e Rivera onde atualmente encontra-se o Parque Internacional.

O futebol havia chegado primeiro na cidade uruguaia e, por isso, os idealizadores do 14 de julho resolveram montar uma equipe para enfrentar os times de Rivera.

Foram fundadores do clube: Pedro Lay, Coriolano Cabeda, Licurgo Cruxen, Armelino Garagorry, Henrique Carvalho, João Caffone, José Ramos, Roberto Calero, Argemiro Zimerman, Julio Sillia e os irmãos Ávila. Seu primeiro presidente foi Felizardo Ávila.

Em 1909, o 14 de Julho participou de um torneio em Rivera, juntamente com três equipes do Uruguai, sagrando-se campeão da competição, sendo assim a primeira equipe brasileira a ganhar um torneio internacional.

Em março de 1914, surgiu o apelido de "Leão da Fronteira", quando os jogadores do 14 de Julho demonstraram uma raça impressionante em um empate em partida amistosa com o Peñarol do Uruguai. Após a partida, os jogadores do Peñarol enalteceram o empenho da equipe santanense, afirmando repetidas vezes que haviam "jogado contra uma equipe de leões desta fronteira".

O 14 de julho foi um dos fundadores da Federação Rio Grandense de Desportos (FRGD) em 1918. No ano seguinte, também participou da criação da Liga de Foot-Ball Livramentense.

Ainda em 1919, o clube esteve em Porto Alegre para a realização de amistosos, os quais ocorreram em datas próximas ao único jogo do Campeonato Gaúcho, entre Grêmio e Brasil de Pelotas. Em razão disto, muitas pessoas confundem-se, achando que o 14 de Julho teria participado do primeiro Campeonato Gaúcho da história.

Em 1999, após participar do Campeonato Gaúcho da Terceira Divisão, o 14 de Julho fechou seu departamento de futebol profissional, mantendo apenas as categorias de base. Em 2005, o time profissional voltou a disputar competições oficiais.

Em 2011 o 14 de Julho acabou em 8º entre os 28 clubes que participaram na Campeonato Gaúcho da Segunda Divisão 2011.
Em sua vasta trajetória de títulos profissionais, o clube possui: 40 títulos municipais; Vice Campeão do Interior do Estado em 1949; Campeão Regional em l952; Bi Campeão da Fronteira Oeste em l960 e l961; Primeiro Campeão Internacional do Brasil em l909 e 1912 - Copa La France -Rivera – Uruguai; Copa Smith 1918 e 1920; Bi Campeão Internacional da Fronteira em 1940 e l941 - Taça Grooper e Campeão da Segunda Divisão do Rio Grande do Sul em 1979.

Atualmente o 14 de Julho disputa todas as competições oficiais organizadas pela FGF como o Campeonato Gaúcho da Segunda Divisão, Campeonato da Divisão Intermediaria  e Copa Lacy Ughini com a equipe de profissionais.

Um vinho muito especial


2013 - Radialista Fernando Moura foi o primeiro garantir um exemplar do vinho alusivo aos 111 anos do 14 de Julho. (Foto: Divulgação)

Roberto Lima  vinho está a disposição dos rubro negros. (Foto: Divulgação)

O 14 de Julho recebeu um vinho especial para brindar os seus 111 anos de fundação, completados dia 14 de julho último.

Na véspera, 13, diretores do clube estiveram na sede da Vinícola Almadén para receber as primeiras caixas do vinho elaborado para ser o símbolo da comemoração, a partir de uma parceria com a empresa.

Foi só os primeiros exemplares do produto chegarem ao Estádio João Martins para que os apreciadores de vinho já buscassem adquirir sua garrafa.

O radialista Fernando Moura foi o primeiro a garantir a sua. O vinho tem um rotulo especial que celebra os 111 anos do 14 de Julho e foi desenhado pelo web designer Guilherme Pinto, neto do maior jogador da história do clube, Setembrino Pinto, o Bino.

A direção distribuiu os vinhos em quatro pontos para facilitar aos interessados em adquirir seu exemplar para coleção ou degustação, os hotéis Portal e Brasil e nas secretarias do departamento de futebol e piscina do clube.

O produto é exclusivo e tem um valor histórico para os rubro negros interessados em brindar os 111 anos do clube, guardá-lo ou presentear um amigo. Os pedidos podem ser feitos pelos telefones 55 3242 4104, 3241 4824 ou no celular 55 91885577.

O centenário de um co-irmão


2013 - O presidente Carlos Alberto "Cabetos" Martins, do 14 de Julho, entrega placa a Luis Paulo Dutra, presidente do Grêmio Santanense. (Foto: Câmara de Vereadores de Santana do Livramento)


Presidentes do 14 de Julho e do Grêmio Santanense se abraçam. (Foto: Câmara de Vereadores de Santana do Livramento)


Presidentes Aimoré Belmonte, do Armour, Carlos Alberto "Cabetos" Martins, do 14 de Julho e Luis Paulo Dutra, do Grêmio Santanense. (Foto: Câmara de Vereadores de Santana do Livramento)

A história os fez rivais, mas os uniu da representação no futebol da Fronteira e agora também os integra como clubes centenários. O Esporte Clube 14 de Julho esteve entre aqueles que celebraram o centenário do Grêmio Santanense, que completou 100 anos recentemente.

O acontecimento foi motivo de uma solenidade na Câmara de Vereadores de Livramento. O presidente Carlos Alberto Martins e o diretor Roberto Lima estiveram na cerimônia representando o 14 de Julho.

Depois da homenagem proposta pelo Vereador Danúbio Barcellos, com direito a discursos dos demais pares e do próprio presidente do Grêmio, Luis Paulo Dutra, a sessão encerrou com a homenagem do 14 de Julho.

O presidente Carlos Alberto Martins, entregou uma placa de reconhecimento ao centenário. No seu discurso, Cabetos lembrou do coirmãos pelas suas vitórias e conquistas nestes 100 anos, das famílias e na convivência dele e seus antepassados quartorzeanos com inúmeros outros dirigentes colorados.
 
A homenagem encerrou com uma fraterno abraço dos presidentes dos rivais, históricos e agora centenários 14 de Julho e Grêmio Santanense.

Um fato histórico

2013 - O repórter Tino Marcos esteve em janeiro no clube, gravando matéria sobre a ligação do rubro-negro com o futebol uruguaio. O 14 de Julho foi agraciado com um espaço na programação mais cobiçada do País, a grade da Rede Globo.

A matéria trouxe novamente à Fronteira o principal repórter de esportes da Globo, Tino Marcos, que tem no currículo oito Copas do Mundo, 16 Copas Américas, entre milhares de coberturas do esporte mundo afora.

Tino trabalhou aqui na Copa América de 1995 e cobriu vários treinos da seleção no Estádio. Ele, o produtor Rodrigo Ramos e o cinegrafista Flavio,trabalharam em um especial sobre a Copa das Confederações e vieram de Pelotas, onde entrevistaram o desenhista da primeira camiseta da Seleção Brasileira. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)


O repórter Bruno Laurence da equipe do "Esporte Espetacular", esteve no clube gravando uma matéria para o especial sobre a Copa das Confederações, no dia 14 de março. (Foto:Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)

A ligação do Leão da Fronteira com o futebol uruguaio, sendo entre outras coisas, fundador da Liga de Futebol de Rivera, ter sua primeira sede no Parque Internacional e ter sido campeão da Copa La France, a primeira participação de um clube brasileiro fora do território nacional, acabou despertando a atenção de uma equipe do Esporte Espetacular, da Rede Globo.

O 14 de Julho acabou entrando na pauta de um especial sobre os países que irão disputar, em julho, a Copa das Confederações no Brasil. A Globo São Paulo enviou equipes para os cinco continentes e o trio formado pelo repórter Bruno Laurence, a produtora Paloma Fukusig e o cinegrafista Ulisses Mendes, desembarcou na Fronteira, depois de uma escala em Porto Alegre e Uruguaiana. Lá, eles alugaram um carro e se deslocaram até Livramento.

A pauta era recontar a ligação do futebol brasileiro com o uruguaio. A produção começou com a captação de imagens e entrevistas com riverenses. Depois, a equipe chegou ao Estádio João Martins, onde era esperada por dirigentes, atletas e torcedores, com todo um cenário já montado, com bandeiras das torcidas organizadas, mascote do clube e os atletas fazendo um treino com o preparador Mauricio Ubal.

O presidente Cabetos Martins, o cônsul Paulinho Labarthe, além dos diretores Roberto Lima e Ari Acosta e o gestor Elson Macedo, foram os anfitriões da equipe da Globo São Paulo. Enquanto Ulisses captava imagens do estádio, treinamento, e torcidas, o repórter Bruno Laurence descobria, nas conversas com diretores e com o professor João Batista Conceição, autor do livro do 14, que a ligação de Livramento e Rivera vai muito além do futebol.

 Laurence,  que é um dos mais experientes repórteres de esporte da Globo, com sete anos na emissora e mais 10 na Rede Bandeirantes, veio pela primeira vez à Fronteira.

2013 - Cinegrafista Ulisses Mendes no Estádio João Martins, quando das filmagens do especial sobre a Copa das Confederações (Foto:Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)

A segunda etapa da matéria foi produzida na sala do Conselho Consultivo, onde foram filmados os troféus que contam a história do clube, especialmente a “Copa La France”, que poderá dar ao 14 de Julho o título de primeiro clube brasileiro a ter vencido uma competição internacional.

A matéria acabou com entrevistas dos diretores Paulo Labarthe e Ari Acosta, que se debruçaram sobre a história do clube e sua ligação com o futebol uruguaio, além dos momentos históricos da vida do 14 de Julho.

Estádio João Martins

Estádio João Martins em foto recente.O estádio que tem capacidade para 5.000 pessoas foi cedido a CBF em Julho de 1995 para ser utilizado pela Seleção Brasileira, nos treinamentos preparatórios durante a Copa America tendo como grupo sede a cidade de Rivera, no Uruguai.

Arquibancada coberta do Estádio João Martins. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)

Sala de Troféus

Sala de Troféus do E.C. 14 de Julho. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)

Sala de Troféus do E.C. 14 de Julho. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)

O 14 de Julho tem mergulhado no resgate da sua história e a direção do clube está mobilizada para reunir todo o material existente que esteja associado aos 111 anos do "Leão da Fronteira". 

Para isso, foi criada a Galeria de Troféus, que desde 2011 está instalada em um amplo espaço, no segundo andar no departamento de piscina. Ali, estão os troféus que foram resgatados pelo clube, muitos deles recuperados e remontados antes de serem expostos. 

A galeria dispõe de troféus que registram as principais conquistas do "Leão da Fronteira", como o tricampeonato e títulos internacionais, entre eles o bicampeonato da "Copa La France", razão de um processo que corre na CBF, para declarar esta como a primeira conquista de um clube brasileiro no exterior.

A galeria também reproduz em tamanho grande o brasão do clube, e ainda está sendo recheada de painéis confeccionados em PVC, que retratam personagens da história do 14 de Julho, como o patrono João Martins, os principais jogadores da história quatorzeana e também equipes memoráveis montadas ao longo dos anos. 

Está exposta no local, junto à mesa do Conselho Consultivo, a bola do jogo do centenário, em 14 de julho de 2002, entre 14 de Julho X Grêmio. 


A galeria leva o torcedor a uma verdadeira viagem pela história do clube, e está aberta gratuitamente aos torcedores e visitantes em horário comercial. Os interessados podem entrar em contato com a secretaria do clube pelo telefone (55) 3242 4104.

Ônibus

Ônibus do E.C. 14 de Julho foi doado pela Receita Federal. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)

Mascote

O mascote do clube é o leão. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)

Homenagens aos heróis




2011 - A história de 109 anos do Esporte Clube 14 de Julho foi construída por muitos heróis, que  dedicaram parte da vida para manter esta paixão em vermelho e preto. Muitos deles já partiram, mas não foram e jamais serão esquecidos por aqueles que hoje receberam a mesma missão, de dar continuidade a história do Leão da Fronteira.


Por isso, na programação da semana de aniversário do 14 de Julho, foi dedicada a homenagem aqueles quatorzeanos que estão no outro plano, mas que continuam inspirando as novas gerações a manter o legado que deixaram na dedicação e amor ao clube.

Em um ato denominado “Tributo a Heróis”, o 14 de Julho realizou uma visita ao túmulo de rubro-negros que faleceram. Coordenada por Alberto Lassaga, uma caravana composta por dirigentes, torcedores e familiares de alguns homenageados saiu do estádio João Martins em direção ao Cemitério Público Municipal.

Os familiares dos ex-jogadores Carlitos Baglione e Neri Silva, o “Tourinho”, foram até o estádio para acompanhar o grupo, enquanto outras pessoas, como Sueli e os filhos do ex-dirigente João Jamonot Apoitia, falecido em 2004, foram direto para o cemitério.

O grupo visitou as sepulturas dos homenageados que foram representados pelos seus familiares no local, iniciando com o ex-diretor, e um dos símbolos da história do rubro-negro, Jamont Apoitia.

Alberto colocou uma fita nas cores vermelha e preta junto ao túmulo, e a esposa, Sueli, um buquê de flores. A mesma atitude foi tomada nos locais onde estão sepultados Carlitos Baglione e “Tourinho”.

Também foram homenageados Julio Jardim e Augusto Asconavieta. A homenagem encerrou sob aplausos a estes quatorzeanos que representaram todos os demais rubro-negros que se foram, mas que alimentaram a mesma paixão na sua passagem pela vida, o Leão da Fronteira. 

A morte de "Tourinho"


A chuvosa terça-feira, dia de maio de 2011, foi de tristeza para os rubro-negros, que acordaram com a triste noticia da morte do ex-atleta do clube Neri Silva, o "Tourinho". Aos 62 anos, o ex atleta perdeu a luta para um câncer às 9h da manhã na Santa Casa de Misericórdia.

"Tourinho" deixou esposa, dois filhos e dois netos, um deles, Lourenzo, que era o seu grande companheiro e com quem tinha a convivência diária. "Tourinho" foi um dos mais habilidosos pontas esquerdas do futebol de Livramento.

Jogou no Fluminense e no Armour, mais foi no 14 de Julho, seu clube do coração, que ganhou fama e entrou para a história. Tourinho, entre outros feitos foi o autor do gol da vitória sobre o Cachoeira, em Cachoeira do Sul, dando a vitória ao "Leão da Fronteira", colocando-o na Primeira Divisão do futebol gaúcho naquele ano.

Depois do futebol, "Tourinho" nunca deixou o 14, onde era colaborador, foi funcionários e dirigiu as categorias de base, descobrindo alguns atletas que hoje integram o elenco profissional, como Anderson Alemão, o lateral Alex, e o meia Gabriel.

Ao lado de Clenir Gomes, ele era um dos responsáveis pelo trabalho de manutenção do complexo do João Martins. O velório do ex-atleta reuniu muitos dos ex-companheiros, que estiveram na sala velatória da empresa de Juan Capurro, para se despedir de "Tourinho".

Atletas como "Toninho Maravilha", Alvim, o goleiro "Pataca", Ivanhoé da Silva e Saul Xavier, que auxiliaram muito a família nas últimas semanas, Julio Cesar, "Balbinho", Edson Inchauspe, Neca, que era amigo inseparável de "Tourinho", entre muitos outros.

Entre as homenagens, uma especial, feita pelo neto Allisson, bastante emocionado, vestiu a camisa numero 11 identificada com o nome do ex-atleta. A direção do 14 de Julho, que foi representada, enviou uma bandeira para ser colocada sobre o caixão, junto com a do Internacional, que era a outra paixão de "Tourinho".

O sepultamento aconteceu as 18 horas debaixo de muita chuva, mas muitas pessoas foram ao cemitério público municipal para se despedir de "Tourinho". (Fonte:Blog do 14 de Julho)


"Tourinho". Foto Blog do 14 de Julho)


O sepultamento de "Tourinho". (Foto: Blog do 14 de Julho)

Fotos históricas


2011.


Outra foto de 2011. (Foto: Blog do 14 de Julho)

2008.

2008. (Foto: Acervo Wilson Machado. Publicada no site "Filhos de Santana".)

2002 - Bino e Cabeto, craques do passado com a camisa dos 100 anos. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho.)

14 de Julho no Gigante da Beira Rio. Sem identificação. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)

Sem identificação. (Foto: Vicente Cabeça Guedes)

Sem identificação. (Foto: Vicente Cabeça Guedes)

Anos 80.  (Foto: Acervo Wilson Machado. Publicada no site "Filhos de Santana".)

Anos 80.  (Foto: Acervo Wilson Machado. Publicada no site "Filhos de Santana".)
1960 - Breno, Bino e Gitinha. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho.)

Vitória sobre o rival Grêmio Santanense. Sem identificação. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)

Sem identificação. (Foto: Acervo fotográfico do E.C. 14 de Julho)

Sem identificação (Foto:Anotando Futebol)

Sem identificação. Provavelmente, 1958. (Foto: Jornal "A Platéia)

Uma das formações do 14 de Julho. Sem identificação. (Foto: Jornal "A Platéia)

Anos 60. (Foto: www.filhosdesantana.com.br)



Lance com o atacante Bino, grande ídolo da história do 14 de Julho.

O mascote Flávio Pinto em foto com mais de 50 anos. (Foto: www.filhosdesantana.com.br)





Embarque da delegação do 14 de Julho. Sem o ano. (de Santana)


(Foto: Jornal "A Platéia)

(Foto: Jornal "A Platéia)


(Foto: Jornal "A Platéia)

Time em Uruguaiana. (Foto: Acervo Wilson Machado. Publicada no site "Filhos de Santana".)

1951. Em 9 de maio o 14 de Julho enfrentou o Peñarol, de Montevidéu.


Notícia publicada em jornal de 1935.