segunda-feira, 8 de julho de 2019

Bom Jesus de Goiás


O Bom Jesus Esporte Clube está sediado na cidade de Bom Jesus de Goiás, no estado de Goiás. O clube disputou seu primeiro campeonato profissional no ano de sua fundação em 1995 e logo de início já se sagrou campeão da Segunda Divisão.

Passou então a partir de 1996 a participar da Primeira Divisão até o ano de 2000. Teve suas atividades paralisadas de 2001 até 2014, sendo que em 2015 participou da Terceira Divisão goiana de profissionais.
Em 2016 não participou de nenhuma atividade profissional, voltado em 2017 quando ficou em quarto lugar na Terceira Divisão, que contou com a participação de 11 equipes.

Bom Jesus Esporte Clube, em 2017, no Campeonato Goiano da Terceira Divisão. (Foto: Arquivo de Ivon Rocha Lima, Diretor de Futebol do Bom Jesus)

Bom Jesus Esporte Clube, em 1997, no Campeonato Goiano da Primeira Divisão. (Foto: Arquivo de Ivon Rocha Lima, Diretor de Futebol do Bom Jesus)

Bom Jesus Esporte Clube, em 1997, no Campeonato Goiano da Primeira Divisão. (Foto: Arquivo de Ivon Rocha Lima, Diretor de Futebol do Bom Jesus) 

Bom Jesus Esporte Clube,em 1995, no Campeonato Goiano da Primeira Divisão. (Foto: Arquivo de Ivon Rocha Lima, Diretor de Futebol do Bom Jesus)

Bom Jesus Esporte Clube, em 1997, no Campeonato Goiano da Primeira Divisão. (Foto: Arquivo de Ivon Rocha Lima, Diretor de Futebol do Bom Jesus)

quarta-feira, 26 de junho de 2019

Jóias do futebol de Uruguaiana

Fotos publicadas no site "Museu do Estaleiro"


Ferro Carril sem o ano. (Foto: Arquivo de Derly Pires).

Embora não seja uma equipe de futebol, sim de remo, vale a publicação pela importância histórica. (Foto: Arquivo de Jorge Odilom)

Sem o ano. Em pé: Pedro Luiz (técnico) - Olavo - Bolacha - Ernani - Oca - Vera - Rossa e João Pedro Barbat (diretor). Agachados: Altamir - Homero - Dilson - Fagundes e Eli. (Foto: Arquivo de Grimaldo Pinto Vera)

Embora não seja uma equipe de futebol, sim de remo, vale a publicação pela importância histórica. (Foto: Arquivo de Jorge Odilom)

1934. S.C. Universal, vice-campeão uruguaianense. (Foto: Arquivo de Douglas Marcelo Rambor)

1933. S.C. Universal, campeão da cidade. (Foto: Arquivo Histórico de Uruguaiana).


1933. Time de aspirantes do S.C. Universal, campeão da cidade. (Foto: Arquivo Histórico de Uruguaiana).


1933. Time do S.C. Universal, no Campeonato Gaúcho de 1933. (Foto: Arquivo Histórico de Uruguaiana).

1933. Lance do jogo Grêmio X Universal, pelo Campeonato Gaúcho. (Foto: Jornal "Correio do Povo")

S.C. Uruguaiana, sem o ano. Em pé: René - Robales - João Neves - Ubaldino - Marcelo e Rubens. Sentados: Miguens - Samuel - Nestor -Olavo e Sanches.

Eurico Lara, quando ainda jogava no S.C. Uruguaiana.

Operário Futebol Clube Rio-Grandense, sem o ano. Era um time da classe dos operários. Existiu de 1925 a 1940. (Foto: Arquivo de Douglas Marcelo Rambor)


1920. S.C. Uruguaiana, campeão Citadino e da Fronteira.  Em pé: Bate-bate - Pires – Índio - Goyo e lalano. Fila do meio: Marcellino - Moreira e Guez. Sentados: Birriel - Nagança e Felo. (Foto:  Revista Historiador, de Luciano Dias)

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Musa paraguaia no Mineirão


Lembra dela? Larissa Riquelme, “Musa da Copa do Mundo de 2010”, está em solo brasileiro e aproveitou a oportunidade de torcer pelo seu país, o Paraguai, que jogou contra a Argentina ontem a noite, para fazer um ensaio sensual.

Nove anos depois de se tornar um fenômeno mundial, a agora apresentadora e modelo chegou ao Brasil ainda com status de estrela.

Quando compartilhou vídeos em Belo Horizonte, onde está, a gata chegou a ser um dos assuntos mais comentados no Twitter. A torcedora da “Albirroja” precisou se dividir entre assistir ao confronto e atender aos fãs.

Longe do glamour dos camarotes, Larissa Riquelme viu o jogo na arquibancada, no setor amarelo inferior, onde chegou já com a bola rolando.

O relógio marcava 11 minutos do primeiro tempo. Ao seu lado estavam alguns familiares, como sua mãe, a senhora Limpia Frutos.

Diversos torcedores pararam para fazer fotos com a torcedora. Atleticanos, cruzeirenses, flamenguistas, paraguaios, argentinos. Não importava a cor da camisa, todos queriam guardar uma recordação com a modelo.














terça-feira, 18 de junho de 2019

Futebol de Ilhéus (BA)


COLO COLO DE FUTEBOL E REGATAS

É uma agremiação esportiva da cidade de Ilhéus, no estado da Bahia, fundada em 3 de abril de 1948. Em 2006, sagrou-se campeão baiano.

Foi criado por um grupo de desportistas liderado por Airton Adami para disputar a semana inglesa, competição que aos sábados lotava o Estádio Mário Pessoa, então um dos maiores do País.


Essa foto é histórica, é a primeira do time fundado alguns meses antes por Airton Adami (marcado na foto). (Fonte: Página oficial do clube)

A semana inglesa era um torneio promovido pelo sindicato dos comerciantes que se realizava somente nas tardes de sábados com os portões do estádio abertos.

A denominação advém de um clube chileno de mesmo nome. Na década de 50 fazia da sua intimidade com a bola um espetáculo de futebol e por isso inspirou o time de Ilhéus.

O seu mascote é o tigre. Já o desenho do uniforme, nas cores azul e amarela, veio de um outro grande time, o Boca Juniors, da Argentina.

O primeiro modelo usado pelo clube foi comprado em Buenos Aires por José Haroldo de Castro Vieira. A primeira diretoria foi composta por: Airton Adami, Silvio Silva, Ivan Lelis da Mata, José Alves Barreto, Cláudio Silveira e Júlio Rodolfo Vieira.

Ao longo da sua história, o Colo Colo já teve oportunidades de disputar partidas com grandes nomes do futebol nacional, principalmente com o Flamengo.

O primeiro título veio em 1953 como campeão ilheense. De 1958 a 1961 o Tigre conquistou o tetracampeonato amador ilheense. Em 1967, o Colo Colo participou pela primeira vez do campeonato baiano de futebol profissional, armando um de seus melhores times, com destaque para Miltinho Simões, que chegou a marcar 5 gols em um só jogo.

Porém, em 1969, voltou à categoria de amador. Em 1997, foi campeão municipal e, em 1998, disputou a Copa da Bahia. Em 1999, o Tigre sagrou-se campeão da Segunda Divisão, voltando à elite do futebol baiano.

Mas, foi em 2006 que conseguiu seu grande trunfo sendo campeão baiano de futebol profissional - um título inédito, quebrando uma hegemonia mais de 30 anos de domínio da dupla Ba-Vi.

Na Copa do Brasil de 2007, o Tigre defrontou-se com o Atlético Mineiro, em 14 de fevereiro, no Estádio Mário Pessoa, perdendo por 3 X 1, ficando precocemente eliminado, em jogo com fortes chuvas, resultando num campo em estado precário para a realização do jogo.

No ano de 2014, o Colo Colo finalmente conseguiu o regresso a elite do Campeonato Baiano após empatar em 2 X 2 com a equipe do Jacobina.

Em 2015, regresso à elite do futebol baiano, fez um bom campeonato estadual chegando na fase final, na disputa pelo 3º lugar. Diante da Juazeirense, o Tigre perdeu e acabou herdando uma vaga na Série D do mesmo ano.

O Colo-Colo não disputará nenhuma competição oficial em 2019. A diretoria do clube divulgou um comunicado no qual alega que dificuldades financeiras e a não garantia de uso do “Estádio Mário Pessoa” foram os principais motivos da decisão.


Colo-Colo sem o ano. (Fonte: Página oficial do clube)


Colo-Colo em 2006, campão baiano. (Fonte: Página oficial do clube)

Colo-Colo em 2012. (Fonte: Página oficial do clube)

Colo-Colo em 2014. (Fonte: Página oficial do clube)

Colo-Colo em 2015. (Fonte: Página oficial do clube)

Colo-Colo em 2016. (Fonte: Página oficial do clube)



O Ilhéus Atlético Clube é uma agremiação da cidade de Ilhéus (BA). O clube foi Fundado, numa segunda-feira, do dia 15 de Maio de 1944. Algumas das variações do seu escudo foi inspirado no brasão da cidade.



O clube sempre teve um cunho de participar das competições citadinas. Ao longo do tempo assistiu alguns clubes da cidade disputar a Primeira Divisão do Campeonato Baiano como o Flamengo FC, Vitória Esporte Clube, Ilhéus Futebol e Regatas e Colo Colo.

Então, o Ilhéus AC resolveu tentar o futebol profissional. Na sua estreia no Campeonato Baiano da Divisão de Acesso (Série B), em 1990, bateu na trave terminando com o vice-campeonato só atrás do E.C. Ypiranga, clube do ilustre torcedor Jorge Amado. 


Debuta na Divisão de Acesso nos anos 90

No ano seguinte (1991), nova tentativa, mas dessa vez a campanha foi aquém e o Ilhéus ficou no meio do caminho (o Fluminense FC de Camaçari foi o campeão). 

Após a competição a diretoria com dificuldades financeiras e sem apoio resolveu desistir da aventura profissional. De lá pra cá o Ilhéus Atlético Clube segue disputando as competições citadinas.


(Fonte: RSSSF Brasil e Companhia da Notícia -  Fotos: Toque Esportivo e Companhia da Notícia)


RIVER ILHEENSE ESPORTE CLUBE


O River Ilheense Esporte Clube é um time de futebol da cidade de Ilhéus (Bahia). Seu uniforme é camisa verde com detalhes vermelhos e brancos, calção branco e meias brancas e vermelhas.


Fundado em 14 de agosto de 1977, é filiado à Federação Bahiana de Futebol (FBF), mas encontra-se sem atividade. O nome é uma homenagem ao River Plate, da Argentina.




Participou do Campeonato Baiano de Futebol na década de 1990, nas edições de 1994, 1995, 1996 e 1997, quando foi rebaixado à “Segunda Divisão.” Seu mando de campo era o “Estádio Mário Pessoa”, em Ilhéus.


Além das atividades no futebol de campo, o River também participa de competições do futebol de areia.


ESTÁDIO MÁRIO PESSOA

Atende ao Colo Colo de Futebol e Regatas e o River Ilheense Esporte Clube. Leva o nome do Prefeito que o construiu, porém somente recebeu a denominação em 1952, pois até então era apenas “Estádio Municipal de Ilhéus”.

A inauguração ocorreu no último ano de governo do prefeito Mário Pessoa, no ano de 1940. Na partida inaugural em 28 de junho, entre dois clubes da capital, o Esporte Clube Bahia derrotou o Esporte Clube Ypiranga por 4 X 2.

Na época foi considerado o maior do norte e nordeste do Brasil. Sua construção foi iniciada com o aterro do charco da área, desmembrada da “Fazenda Boa Vista”, dos herdeiros de José Gomes do Amaral Pacheco.

O sistema de iluminação foi inaugurado no dia 15 de novembro de 1961 numa partida amistosa onde o Fluminense do Rio venceu o E.C. Vitória, de Salvador, por 1 X 0, com gol de Telê Santana.


O "Estádio Olímpico Mário Pessoa", como foi denominado na época, tinha condições de realizar várias modalidades de esportes terrestres.

Hoje o estádio conta com novas arquibancadas na ala da geral, cadeiras numeradas na arquibancada coberta, tribuna de honra, cabines para imprensa, amplos vestiários, quadra poliesportiva, escritório administrativo, um gramado de boa qualidade e refletores novos. A capacidade de público é de 7.000 pessoas. (Fonte: Wikipédia)

sábado, 8 de junho de 2019

Raridades do futebol pelotense

Diretoria do G.S.Ruy Barbos a em 1935. (Foto: Cacellain)

G.S. Ruy Barbosa, em 1931. (Foto: Cacellain).

O Grêmio Sportivo Ruy Barbosa foi uma agremiação da cidade de Pelotas. O alviverde pelotense foi fundado no dia 30 de Março de 1927.

O futebol em Pelotas estava efervescente em 1922,  quando existiam quatro ligas na cidade: Liga Pelotense de Foot-ball (LPF), Liga Cassiano do Nascimento (LCN), Liga Desportiva Acadêmica (LDA) e Liga José do Patrocínio (LJP).

Durante esse período, o Ruy Barbosa disputou várias competições em diversas ligas, como por exemplo, no Campeonato Pelotense de 1933, organizado pela Liga Pelotense de Amadores de Desportos (LPAD).

O G.S. Ruy Barbosa foi Campeão pela LCN, da Série B de 1941. Não confundir com o Sport Club Ruy Barbosa, da cidade de Porto Alegre, fundado em 1915. (Fontes: jornal "Opinião Pública", de Pelotas, jornal "A Federação", órgão do "Partido Republicano", Revista "Illustração Pelotense", Christian Ferreira Mackedanz e Rosélio Luís Basei)

Campo de futebol do S.C. Pelotas, em 1919. (Foto: Revista "Illustração Pelotense") 

Coreto no campo de futebol do S.C. Pelotas, em 1919. (Foto: Revista "Illustração Pelotense") 

Manoel Mello e Dorval Miranda, dois destacados valores do S.c. Pelotas. (Foto: revista "Illustração Pelotense") 

Campo do S.C. Rio Branco, de Pelotas, em 1919 no Bairro Doutor Augusto Simões Lopes. (Foto: Revista "Máscara")