quinta-feira, 6 de setembro de 2012

O "Jacaré" de Sete Lagoas



Fotos:  Programa Centro Democratense de Memória (Cedem)

O Democrata foi fundado em 14 de Julho de 1914, após seguidas reuiniões de seus fundadores no "Bar Chique", ponto de encontro da sociedade setelagoana da época.

A reunião do ato de fundação ocorreu na sala da residência do sr. Bernardo de Figueiredo, o "Paizinho", conhecido maestro da "Banda União dos Artistas". No mesmo dia, a nova sociedade esportiva criada receberia o nome de Democrata Futebol Clube.

Participaram desta reunião, os senhores: Modestino Andrade, João Domingos de Carvalho, Alfredo Rodrigues dos Santos, José Cândido de Andrade, João Avelar Pena, José Moreira de Abreu, Francisco Wanderlei Azeredo, Bernardo de Figueiredo, Francisco L’abbate, Raimundo Andrade, Claudionor Campolina, Isaltino Gonçalves, Odorico Mourão, Raimundo Simões, Laerte Ramos, Átila Pimentel Costa, José Ferreira Coelho, José Silvinho Coelho de Avelar, Odilom Andraded Costa, Antônio Maia Júnior e João Fernandino Neto. Foi escolhido como primeiro presidente do Democrata o sr. Francisco Wanderlei Azeredo.

O primeiro uniforme do Democrata foi encomendado, por meio de telegrama, a uma casa especializada localizada no Rio de Janeiro, com o dinheiro arrecadado na reunião de fundação do clube. Os uniformes foram recebidos no dia 25 de junho de 1914 e já apresentavam as listras verticais em vermelho e branco na camisa.

A primeira partida da história do Democrata ocorreu no dia 6 de setembro de 1914 , contra o Ordem e Progresso, da cidade de Matozinhos . O Democrata venceu por 4 X 1, entrando em campo com a seguinte escalação: Álvaro Rosa - João Neto e Laerte Ramos - Aglófile Patry - Augusto Otoni e Francisco Andrade - Alfredo dos Santos - Raimundo Simões - Jael Andrade - Honório Otoni e Ildefonso Moreno.

Depois de 3 anos na disputa do Modulo I do Campeonato Mineiro de Futebol , em 2008, o Democrata caiu para o Modulo II (Segunda Divisão), e em 2009, caiu para a terceira divisão do Campeonato Mineiro.

O Democrata possui um dos maiores e mais belos estádios de Minas Gerais, a "Arena do Jacaré", com capacidade superior a 20.000 torcedores.

Tpitulos

Campeão Mineiro do Torneio de Acesso : 1981

Campeão do Torneio Início de Minas Gerais : 2006

Vice-Campeão Mineiro : 1955, 1957 e 1963

Outras Conquistas

Campeão do Torneio Quadrangular de Governador Valadares em 1953
Campeão do Torneio de Ilhéus em 1955 (Fonte: Wikipedia)





A Associação Amigos do Democrata, através do Programa Centro Democratense de Memória (Cedem), vem prestando diversas homenagens a ex-jogadores que marcaram a história do Jacaré. Já foram homenageados Noca, Jadir, Troçol, Gerci, Ruy, Braúna, Celso Dutra, Pedrinho, Silvinho, Careca, Dinei, Marquinhos e Valério.

Grandes craques pisaram o gramado do Estádio José Duarte de Paiva, antigo campo do Democrata de Sete Lagoas, desativado em 2005 para dar lugar a um grande supermercado. Dentre eles, Taffarel, um dos melhores goleiros da história do Brasil, e Euler, o "Filho do Vento".

Em 25/02/1995, o "Jacaré" enfrentou o Atlético/MG, em jogo da 4ª rodada do Campeonato Mineiro. O Galo venceu por 2 X 1 em pleno Duarte de Paiva.

Destaque para a estréia de Taffarel em partidas oficiais pelo Atlético e para o gol do Democrata, marcado pelo zagueiro - em início de carreira - João Carlos, que se consagraria defendendo Cruzeiro, Corinthians e Seleção Brasileira.

Naquele ano, o Democrata ainda empataria em 0 X 0 com o Atlético, no Mineirão, mas amargaria o descenso à 2ª divisão mineira.

Na foto, tirada no túnel do estádio, vemos Euler, ainda jovem, à esquerda, Taffarel, à direita e o lendário fotógrafo Henrique Iglesias "Fogo", figura presente em todos os eventos futebolísticos de Sete Lagoas

A atual sede do Democrata Futebol Clube é chamada de "Recanto do Jacaré". Idealizada e iniciada pelo então presidente Geraldo Negocinho Antonio da Costa, em 1983, a sede administrativa e recreativa está localizada à Rua Bambuí, 81, bairro Vale das Palmeiras.

Com área de 52mil m2, o "Recanto do Jacaré" foi concebido como clube social com campos de futebol, piscinas, quadras esportivas, vestiários, saunas, sala de jogos, salão de eventos, bares e playground, além de escritório administrativo. O Clube viveu seu auge entre o final da década de 80 e meados de 90, quando famílias inteiras frequentavam suas instalações sempre muito bem cuidadas.

Entre o final dos anos 90 e início da década de 2010, por fatores diversos, o "Recanto" foi perdendo seus frequentadores, culminando com seu fechamento em 2003. Com isso, e talvez este seja o principal motivo de seu fechamento pela diretoria da época, foi iniciada a construção de um centro de treinamentos de futebol no local. Dois campos de tamanho oficial e um alojamento foram começados, porém não concluídos.

Em 2008, a nova diretoria do Democrata, presidida pelo Dr. Felisberto Gregório de Abreu, com grande apoio da Associação Amigos do Democrata, iniciou, timidamente, a recuperação do "Recanto", então completamente abandonado.

Atualmente, estão em uso pelo departamento de futebol, ainda que longe das condições ideais, 1 campo society e 1 campo oficial, além de 1 vestiário.

O salão de eventos, que estava completamente impróprio para uso, ganhou novas instalações hidráulicas e elétricas, tendo, também, recebido nova pintura. Reuniões da Diretoria, sócios e Conselho Deliberativo já têm sido feitas no local, que, em breve, poderá receber eventos como antigamente.

1982 - Reportagem publicada na revista "Placar", de 23 de julho de 1982, mostra que o Democrata F.C, de Sete Lagoas (MG), foi o primeiro clube de futebol profissional do Brasil a ter patrocinador de camisa.

Segundo a Publicação, que à época tinha edição semanal, a indústria mineira de material esportivo "Equipe" foi a patrocinadora. A parceria rendeu ao "Jacaré" Cr$ 500 mil em bolas, camisas, sungas, chuteiras, meias e tênis e foi firmada pelo então presidente, Geraldo Negocinho.

Você sabia que o maior atacante da história do Atlético-MG, Reinaldo Lima, já jogou pelo Democrata de Sete Lagoas? Sim, isso aconteceu numa partida amistosa beneficente no início da década de 90. Neste jogo, vários craques com passagem por Atlético, Cruzeiro e América vestiram a camisa alvirrubra num dia de confraternização e solidariedade.

Além de Reinaldo, jogaram pelo Jacaré Humberto Ramos e Marcelo Oliveira. Estão na foto: Em pé: Luciano Linguinha - Getúlio - Antenor - Pituca - Marcão - Alves - Prexetes - Luiz  - Vitor- Tatá, Sr. Paulo e Humberto Timo. Agachados: Renato Dramático - Maurício Oliveira - Humberto Ramos - Espencer, Reinaldo - Marcelo Oliveira e João Ligeiro. (Foto: Cedida pelo ex-jogador Pituca).

1982.

1964 - Capa revista 1964 do Cinquentenário, que contou boa parte da história do clube, desde a sua fundação.

Esta é a famosa sede da Rua Lassance Cunha, erguida na década de 60.

1963 - Vice-campeão mineira da primeira divisão.

1957 - Quadro de quando o Democrata foi campeão invicto do primeiro turno, e vice-campeão ao final do "Campeonato Cidade de Belo Horizonte", antigo nome do Campeonato Mineiro.

1957 - Time vice-campeão mineiro da 1ª Divisão.

Um dos times da década de 1950.


1956. Amistoso contra o Vasco da Gama, do Rio de Janeiro.

Na década de 50, período glorioso de sua história, o Democrata recebeu a visita, no Estádio José Duarte de Paiva, de grandes clubes do futebol carioca – Vasco e Fluminense. O Centro de Memória do Democrata F.C. (Cedem), teve acesso a importantes informações sobre os amistosos, publicadas no jornal "Estado de Minas", em 1956, e relembradas recentemente em matéria de Eugênio Moreira.

Naquela época, o Democrata tinha um esquadrão de respeito! Foi campeão do segundo turno do campeonato mineiro de 1955, consagrando-se vice-campeão estadual, fato que se repetiu em 1957. A camisa usada nesta época foi relançada recentemente pelo Cedem, projeto da Associação Amigos do Democrata.

O primeiro amistoso foi contra o Vasco, que estava em Belo Horizonte para enfrentar o Atlético, no dia 15/03/1956. O placar final foi 1 x 0 para a equipe cruzmaltina, gol de Pinga. Apesar da derrota, o "Jacaré" deixou boa impressão. A grande expectativa para o jogo, bem como a atuação do Jacaré foram descritas pelo "Estado de Minas", dos dias 14 e 16 de Março de 1956.

"O grande cotejo já está despertando, em Sete Lagoas e localidades vizinhas, o maior interesse, principalmente em razão da excelente forma atual do conjunto orientado por Vaguinho e pelo fato de há muito não se realizar, naquela cidade, um prélio de tal envergadura. Assim, acredita-se que o comércio e a indústria setelagoanos, cooperando para o maior êxito da iniciativa do presidente Márcio Paulino; encerrarão suas atividades mais cedo, uma vez que o cotejo terá início às 16 horas, pois não há refletores no estádio do alvi-rubro".

"...0 alvi-rubro atuando bem, não se intimidando jamais com o renome dos visitantes, não só igualou-se aos cruzmaltinos como também teve momentos de maior inspiração, inclusive predominando em determinados períodos".

O Democrata atuou com: Ziete - Amauri e Braúna - Gerson (Escurinho) - Rui e Nelsinho - Pedro Luiz - Aires - Biguá - Livinho e Gerci.

O segundo amistoso foi contra o Fluminense, que estava em Belo Horizonte para encarar o América. Infelizmente, o Democrata perdeu por 5 x 0. Apesar da goleada, o time era muito respeitado e considerado um dos mais fortes de Minas Gerais. As justificativas para a derrota elástica estampavam o Estado de Minas", de 27/03/1956."

"Amarga, assim, o Democrata, bem como seu numeroso corpo de associados e adeptos, uma derrota contundente e que, em absoluto, não poderia estar nas cogitações daqueles que conhecem o valor de sua falange, incluída, com merecimento, como uma das melhores do soccer mineiro. Cousas do futebol [...]o primeiro gol sofrido logo aos 30 segundos de jogo, a ausência do atacante Livinho, cedido ao Vasco, a contusão de Aires (substituto de Livinho), e as chances perdidas pelos atacantes Biguá e Pedro Luiz."

Os gols do Tricolor foram marcados por Quincas, Russo, Valdo (2) e Telê Santana, que décadas depois se tornaria um dos melhores treinadores de todos os tempos.

Na década de 60, o Democrata enfrentou o Botafogo, também em Sete Lagoas. Destaque para a presença do meia Gérson, camisa 8 da seleção brasileira na Copa de 70. Você sabe o placar deste jogo? Sabe alguma curiosidade? Conhece alguém que esteve lá? Ajude o Cedem a contar a história do "Jacaré".!

1950 - Gerci - Bertolo - Biguá - Chiquinho e Joaozinho, "o quinteto fantastico".

1948 - Campeão invicto do Campeonato Amador de Sete Lagos.

Década de 1940, no saudoso Estádio José Duarte de Paiva.

Antiga sede da Praça Dom Carmelo Mota 73, conhecida como "Praça da Feirinha".

Sede onde o clube foi fundado.

Nenhum comentário: