quarta-feira, 6 de junho de 2012

O time da virada (1)


Fotos: Acervo fotográfico do C.R. Vasco da Gama


1963 - Campeão do Torneio Pentagonal do México.

1963.

1962 - Saulzinho e Viladôniga
1960 - Goleiro Barbosa, já em fim de carreira.


1958 - Campeão do Torneio Rio-São Paulo.

1958 - Belini, Vavá e Orlando na seleção.

1958.

1957. Campeão do Torneio "Teresa Herrera".

1957 - Pelé com a camisa do Vasco. Foi no combinado Vasco-Santos.

1957. Almir, o "Pernambuquinho"".

1956 - Valter Marciano, um dos destaques do time campeão.

Paulinho, lateral-direito.

1956 - Paulinho, Carlos Alberto e Bellini, defesa campeã.


1953 - Vasco  2 x 1 São Paulo. Gol de Pinga.

1953 - Campeão do Torneio Quadrangular Internacional do Rio.

1953 - Campeão do Octogonal Rivadavia Corrêa Meyer.

1952.

1952 - Danilo, o "Principe".

1952 - Campeão Carioca.

1952 - Ademir recebe a faixa de campeão.

1951 - Vasco 3 X 0 Penharo,l amistoso chamado de "O Jogo da Vingança".

1950 - Decisão Vasco 2 x 1 América

1950 - Campeão Carioca.

1949 - Vasco 5 x 2 Flamengo.

1949 - Campeão carioca invicto.

1949 - Augusto, o capitão do "Expresso da Vitória".

1949 - Após marcar gol da vitória, Nestor é abraçado pelos companheiros.

1949 - Amistoso Vasco 1 x 0 Arsenal da Inglaterra.

1949.

1949/1950 - Ademir, artilheiro nos dois anos.

1948. Cinquentenário do clube.


1948 - Sulamericano de clubes no Chile,gol de Friaçacontra o Colo Colo.

1948 - Barbosa defende pênalti, no Sulamericano de clubes do Chile.

1948 - Campeão Sulamericano Invicto.

1948 - Campeão do Torneio Início.

1947 - Campeão do Torneio Municipal.

1947 - Campeão Carioca Invicto. Eli - Maneca - Chico - Jorge - Augusto - Flávio Costa (técnico) - Lelé - Alfredo- acima Danilo - Barbosa - Friaça e Ismael, de agasalho
.
1947 - Campeão Carioca Invicto.

1946 - Campeão do Torneio Municipal.

1945 - Elenco Campeão Invicto.

1945 - Campeão Invicto do Torneio Municipal.

1945 - Campeão do Torneio Início.

1945 - Campeão Carioca Invicto.

1945 - Barbosa, o maior goleiro da história do Vasco.

1945 - Campeão Carioca. Em pé: Argemiro - Eli - Berascochea - Augusto - Rodrigues - Rafagnelli e Ondino Vieira (técnico). Agachados: Mário Américo (massagista) - Santo Cristo - Ademir - Isaias - Jair da Rosa Pinto e Chico.
1944 - Campeão Invicto do Torneio Relâmpago.

1944 - Campeão do Torneio Municipal.



1942 - Campeão do Troféu da Paz.

1942 - Campeão do Torneio Início.

1940 - Campeão do Torneio Luiz Aranha.

Time de 1937.

1936. Rei e Feitiço. O grande goleiro e o consagrado goleador, dois dos maiores craques do campeonato carioca de 1936, conquistado pelo Vasco pela FMD.

1935 - Último jogo de Domingos da Guia pelo Vasco, contra o River Plate da Argentina.

1934 - Rei - Lino - Fausto - Itália - Gringo - Carreirinho - Almir - Mola - Juca - Carnieri e Orlando.

1934 - Campeão Carioca.

1934 - Domingos da Guia de gorro, Rei e Russinho comandam a entrada do time no gramado de São Januário.

1933 - Domingos da Guia Gradim Fausto e Juca


1929 - Campeão Carioca

Fausto (Foto: Jornal dos Sports)

Fachada do Estádio de São Januário, no ano de sua inauguração.

Auxiliados pelo presidente do Vasco, Raul da Silva Campos (à esquerda) o presidente da CBD (hoje CBF) Oscar Rodrigues da Costa (à direita) e o major Sarmento de Beires (no centro) descerraram a fita inaugural do Estádio Vasco da Gama.


O presidente vascaíno Raul da Silva Campos ao lado do Presidente da República Washington Luís (de bengala) e diversas autoridades.


Time do Vasco com sua bandeira, entrando em campo para o jogo inaugural. A camisa ainda não tinha a faixa na diagonal.

O time vascaíno posa para a posteridade, com bandeiras dos 10 times do Rio de Janeiro na época (Algumas estão encobertas).

Observado pelos santistas Feitiço e Araken, Oscar Rodrigues da Costa, presidente da CBD (hoje CBF), dá o pontapé inicial do jogo Vasco x Santos. No centro da foto, o presidente vascaíno Raul da Silva Campos. As arquibancadas em curva ainda não existiam.


Vascaínos atrás do gol e nas sociais do estádio.


Multidão se acotovelou atrás do gol e nas arquibancadas.

O Estádio de São Januário foi inaugurado em 21 de abril de 1927. Até o início dos anos 40, quando o Pacaembu passou a fazer parte do cenário da cidade de São Paulo, foi o maior estádio brasileiro, com capacidade para mais de 30 mil pessoas, e palco de grandes clássicos nacionais, jogos do Brasil e manifestações políticas.

Muitos abnegados vascaínos abriram mão de parte de suas fortunas para ajudar a concretizar o sonho da casa própria. Um deles foi o industrial Zeferino de Oliveira, dono do Moinho da Luz. A Cervejaria Brahma também teve papel importante na construção da praça esportiva não apenas doando dinheiro como montando os bares da sede e ajudando na construção da sede náutica do clube.

Vasco e Santos fizeram a primeira partida da história do estádio. O Peixe venceu por 5 X 3, com gols de Evangelista (2), Arakem, Osmar e Feitiço. Para o Vasco descontaram Negrito, Galego e Pascoal.

O Peixe entrou em campo com Tuffy, Bilu e Davi; Alfredo, Julio e Hugo; Omar, Camarão, Feitiço, Arakem e Evangelista. O Vasco atuou com Nelson, Espanhol e Itália; Nesi, Claudionor e Badu; Pascoal, Torterolli, Galego, Russinho e Negrito.

Em março de 1928 foram inaugurados os refletores do estádio em partida em que o Vasco bateu o uruguaio Wanderes por 1 X 0.

1925.
Um grande exemplo

Um exemplo da importância dos clubes ocorreu no dia 7 de abril de 1924. Na ocasião, o Vasco bateu o pé e recusou a proposta da Associação Metropolitana de Esportes Atléticos para disputar o Campeonato Carioca principal com a condição de eliminar de seus quadros 12 atletas negros, mulatos ou nordestinos, quase todos pobres, considerados pela AMEA jogadores “de profissão duvidosa”.
O pesquisador Alexandre Mesquita elaborou detalhado texto publicado no site http://www.netvasco.com.br/news/noticias15/64032.shtml Netvasco que eu faço questão de reproduzir aqui. É a maior contribuição do Vasco não só para o futebol, mas para a história do Brasil. Afinal, ajudou a acabar com o preconceito no esporte e em boa parte da sociedade.
A resposta histórica
“Rio de Janeiro, 7 de Abril de 1924.

Ofício nr. 261

Exmo. Sr. Dr. Arnaldo Guinle

M.D. Presidente da Associação Metropolitana de Esportes Atléticos

As resoluções divulgadas hoje pela imprensa, tomadas em reunião de ontem pelos altos poderes da Associação a que V.Exa tão dignamente preside, colocam o Club de Regatas Vasco da Gama numa tal situação de inferioridade, que absolutamente não pode ser justificada nem pela deficiência do nosso
campo, nem pela simplicidade da nossa sede, nem pela condição modesta de grande número dos nossos associados.

Os privilégios concedidos aos cinco clubes fundadores da AMEA e a forma por que será exercido o direito de discussão e voto, e feitas as futuras classificações, obrigam-nos a lavrar o nosso protesto contra as citadas resoluções.

Quanto à condição de eliminarmos doze (12) dos nossos jogadores das nossas equipes, resolve por unanimidade a diretoria do Club de Regatas Vasco da Gama não a dever aceitar, por não se conformar com o processo por que foi feita a investigação das posições sociais desses nossos consócios, investigações levadas a um tribunal onde não tiveram nem representação nem defesa.

Estamos certos que V.Exa. será o primeiro a reconhecer que seria um ato pouco digno da nossa parte sacrificar ao desejo de filiar-se à AMEA alguns dos que lutaram para que tivéssemos entre outras vitórias a do campeonato de futebol da cidade do Rio de Janeiro de 1923.

São esses doze jogadores jovens, quase todos brasileiros, no começo de sua carreira e o ato público que os pode macular nunca será praticado com a solidariedade dos que dirigem a casa que os acolheu, nem sob o pavilhão que eles, com tanta galhardia, cobriram de glórias.

Nestes termos, sentimos ter que comunicar a V.Exa. que desistimos de fazer parte da AMEA. Queira V.Exa. aceitar os protestos de consideração e estimade quem tem a honra de se subscrever, de V.Exa. At. Vnr. Obrigado

(a) Dr. José Augusto Prestes

Presidente”

1923. Leitão, Nélson e Mingote.

1923 - Campeão Carioca. Em pé: Nicolino - Lingote - Nelson - Leitão - Artur e Bolão. Agachados: Paschoal - Torterolli - Arlindo - Ceci e Negrito.

1923 - Campeão Carioca.

1922. A Taça Constantino. motivo de festa na sede vascaína.

1922.

1922. Campeão da série B Carioca.

 Celebração pela participação no Torneio Início de 1921.

Time de 1921.

1916. Primeira equipe do Vasco.

Adão Antônio Brandão autor do primeiro gol do Vasco.

6 comentários:

Anônimo disse...

FALTOU O TORNEIO INTERNACIONAL DE CLUBES DE PARIS 1957 O MUNDIAL DE CLUBES DA ÉPOCA , VASCO BICAMPEÃO MUNDIAL 1953/57 .

Nilo dias tavares disse...

O Campeonato Mundial de clubes é coisa recente. Torneio, não é campeonato.

Anônimo disse...

NILO O QUE EU QUIS DIZER QUE ESTA COMPETIÇÃO FOI UM TORNEIO MUNDIAL INTERCLUBES DE 1957 , CONCORDO COM VC QUE NÃO FOI UM CAMPEONATO MAIS FOI UM TORNEIO QUE TEVE O INTUITO PARA DECIDIR A NATA DO MELHOR FUTEBOL MUNDIAL REUNINDO OS ÚNICOS CAMPEÕES CONTINENTAIS OFICIAIS DA ÉPOCA ATÉ 1960 - VASCO EM 1948 E REAL MADRID EM 1956/57 , O MELHOR ANFITRIÃO - RACING CLUBE PARIS [ CAMPEÃO DA TEREZA HERREIRA EUROPÉIA 1949 E EXACAMEÃO FRANCES ] E O MELHOR REPRESENTANTE DA ATUAL CAMPEÃ DO MUNDO FIFA DE 1954 A ALEMANHA QUE FOI O ROT WEIS EISSEN - CAMPEÃO DA ALEMANHA 1953 , CAMPEÃO ALEMÃO 1955 , CAMPEÃO DA BUDESLIGA 1956 E ÚNICO CLUBE ALEMÃO QUE COMPETIU A 1 COPA DOS CAMPEÕES DA UEFA EM 1956 ATÉ ENTÃO , ESTE TORNEIO INTERCLUBES DA FRANÇA FOI CONCIDERADO NA ÉPOCA O MUNDIAL DE CLUBES NAS 3 PRIMEIRAS EDIÇÕES EM 1957 , 1958 E 1959 E O PRECURSSOOR DA TAÇA INTERCONTINENTAL DE CLUBES DE 1960 A 2004 E PRINCIPALMENTE DO MUNDIAL DE CLUBES DA FIFA . ABRAÇOS EU SOU ROBINHO C.G..

Nilo dias tavares disse...

Qualquer competição tem seu nome escolhido antes. Exemplos, campeonato municipal, campeonato estadual, campeonato brasileiro, torneio tal, etc, etc. Se a denominação foi Torneio de Paris e não Campeonato Mundial, liquida a questão. Deve ter sido um bom torneio, com mais de um representate de alguns países. Não vi na relação de disputantes nenhum clube fora da América eda Europa. Certamente o mundo de antigamente era menor.Só pode.

Anônimo disse...

SIMPLISMENTE PORQUE NOS ANOS 50 AINDA NÃO DEFINIA OS CAMPEÕES CONTINENTAIS DE CLUBES ALEM DE EUROPA/AMERICA DO SUL , OU SEJA AINDA ERAM AMADORES TANTO QUE NO TORNEIO INTERCONTINENTAL DE CLUBES DE PARIS 1957 ESTAVA NO ESTÁDIO ASSISTINDO O JOGO DO SÉCULO COMO CHAMAVAM NAQUELA ÉPOCA O CHÁ DA ASIA E A IMPERATRIZ DO IRÃN , NO CASO DA DENOMINAÇÃO NILO É QUESTÃO DE NOMENCLATURA POR EX - TAÇA JULE RIME = COPA DO MUNDO , ROBERTO GOMES PEDROSA = BRASILEIRO , RIVADAVIA CORREIA MÉIER = COPA RIO INTERCONTINENTAL DE CLUBES , TAÇA TOYOTA = INTERCONTINENTAL DE CLUBES ETC... ABRAÇOS ROBINHO C.G. .

Anônimo disse...

CORRETÍSSIMO SENÃO A FIFA NÃO RECONHECERIA A COPA RIO DE 51 , PORQUE POR CERTO TEM QUE RECONHECER TAMBEM AS OUTRAS COMPETIÇÕES DOS ANOS 50 DE NIVEL MUNDIAL DE CLUBES QUE FORAM ESTAS - COPA RIO 52 , COPA RIO RIVADAVIA CORREIA MÉIER 53 E TAÇA PARIS 57 .